COMPARTILHE

Como parte das ações para a implantação das Salas de Pé Diabético nos municípios, no próximo dia 15, às 14h30, será realizada, por meio do Telessaúde Bahia, a webpalestra “Salas de Pé Diabético – Como prevenir lesões”, com o médico especialista em Angiologia e Cirurgia Vascular com área de atuação em Pé Diabético, Cícero Fidelis e o diretor de Atenção Básica da Secretaria da Saúde do Estado, José Cristiano Sóster. A webpalestra trará também informações sobre o curso presencial de capacitação para os profissionais de saúde que atuarão nas salas.

A Portaria nº51, de 16 de janeiro de 2019, define os critérios para a implantação de 200 salas para o tratamento do pé diabético e feridas complexas em todo o estado. O objetivo é reduzir o número de amputações decorrentes da falta de controle do diabetes, que entre 2010 e 2018, ocasionou mais de 6 mil amputações.

De acordo com o secretário da Saúde da Bahia, Fábio Vilas-Boas, as amputações decorrentes de complicações do pé diabético constituem um grave problema de saúde pública no Brasil e no mundo, levando em conta as elevadas taxas de internação hospitalar.

Para o diretor de Atenção Básica, essa webpalestra é o momento para conhecer e esclarecer as dúvidas sobre a implantação das salas. “A proposta é trazer informações sobre o curso, portaria e a importância da prevenção às feridas em portadores de diabetes. Por este motivo convidamos Cícero Fidelis para abordar o papel do profissional da Atenção Básica na prevenção das lesões de Pé diabético”, esclareceu Sóster. O diretor reforçou também a importância da participação de todos os 193 municípios que realizaram a adesão. (Lista aqui)

A portaria prevê que cada município poderá implantar uma Sala de Pé Diabético de referência municipal, a qual competirá realizar a gestão do leito de feridas; realizar a inspeção sistemática dos pés; orientar os métodos de descarga e uso de palmilha; realizar o desbastamento de calosidades e realizar pesquisa de pulso periférico.

Já à Sesab competirá a disponibilização de equipamentos específicos para diagnóstico do pé diabético e complicações vasculares (Kit para sala de Pé Diabético); a qualificação dos técnicos de enfermagem em podologia; a capacitação da equipe que atuará nas Policlínicas como referência para as Salas de Pé Diabéticos; a realização de teleconsultoria, com inclusão de imagens e exames, para auxiliar a conduta dos profissionais; a realização de webpalestras relacionadas ao tema; a articulação com as Secretarias Municipais de Saúde para implantação dos pontos de atenção e fluxos de referenciamentos, e a coordenação do processo regulatório inter-regional.

Para saber mais sobre a Portaria 51, clique aqui.