COMPARTILHE

A Campanha do Setembro Amarelo, que aborda a prevenção ao suicídio, foi aberta virtualmente, na última terça-feira (1º), pela Secretaria da Educação do Estado, em parceria com a Secretaria da Saúde (Sesab). Com o tema anual ‘É preciso agir!’, a proposta é realizar uma série de lives durante todo o mês, garantindo espaços de reflexão junto à comunidade escolar. Entre as ações estão os lançamentos, no dia 10 de setembro, da Cartilha Setembro Amarelo, para os professores e servidores da Educação, e a Revista Gibi Setembro Amarelo, para os estudantes.

O secretário da Educação do Estado, Jerônimo Rodrigues, destacou a importância de promover o Setembro Amarelo na rede estadual. “É fundamental que possamos marcar esta data pela forte simbologia e um foco bem objetivo. Apesar de delicado, não abrimos mão de falar e criar ações sobre o assunto, porque são com esses gestos que podemos salvar vidas. Neste momento de pandemia, a SEC e a Sesab têm uma responsabilidade redobrada com a sociedade e os nossos estudantes. O Governo do Estado tem o compromisso de cuidar de gente porque, para nós, as vidas importam muito dentro das nossas políticas públicas”, afirmou.

A subsecretária da Saúde, Tereza Paim, que representou o secretário Fábio Vilas-Boas, falou da educação como ferramenta de esclarecimento dos estudantes. “A educação tem uma grande importância neste trabalho de prevenção ao suicídio. É fundamental podermos colaborar e construir instrumentos que possam compartilhar saberes. É admirável o professor que pode lidar diretamente com essa prevenção no dia a dia da sala de aula, expandido o trabalho dos Centros de Atenção Psicossocial [CAPS], que já integram a saúde e a educação no Estado”.

Rede de apoio
Para Luiza de Sá Leitão, representante da Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) e especialista em desenvolvimento de adolescentes e Jovens, a prevenção tem que estar envolvida na formação dos estudantes. “Muito importante o cuidado de poder integrar a saúde e a educação, principalmente em um momento de pandemia, quando o bullying deixa de ser apenas na escola e passa para a internet. É preciso trabalhar a saúde mental desses jovens que estão formando sua identidade, autonomia e criando sua própria interação. Uma rede de apoio é extremamente fundamental”, disse.

Segundo Marcelo Veras, psicanalista e  coordenador do PsiU –  Programa de Saúde Mental e Bem Estar da Universidade Federal da Bahia (Ufba), não tem como conceber a educação dissociada da saúde. “Este é um mês que questionamos de forma mais intensa as causas do suicídio. Precisamos ficar atentos às estatísticas que, muitas vezes, não mostram muitos elementos que criam a condição para o ato, como o alcoolismo. Temos, desde à tenra idade, aspectos que podem nos levar a essa condição por diversos fatores, por isso temos que ser equilibristas da nossa realidade, apoiados pela integração entre a educação e a saúde”, comentou.

Atividades
Estiveram como mediadores do encontro virtual a superintendente de Recursos Humanos da Secretaria da Educação do Estado, Rosário Muricy, e o diretor de Atenção Básica da Sesab, Cristiano Soster.

Rosário Muricy reforçou que as lives vão ocorrer semanalmente, durante todo o mês de setembro, com transmissão pelo canal do YouTube do Instituto Anísio Teixeira (IAT) . Também serão promovidas oficinas on-line de prevenção ao suicídio, com o tema ‘A vida é a melhor escolha! É preciso agir!’, com os psicólogos do Programa de Atenção à Saúde e Valorização do Professor da Secretaria da Educação. Servidores, docentes, estudantes e comunidade escolar em geral são o público-alvo das oficinas.

Para conferir a programação completa do Setembro Amarelo, acesse: http://telessaude.ba.gov.br/wp-content/uploads/2020/09/programacaosetembroamarelo.pdf

Fonte: Ascom/Secretaria da Educação do Estado
02 setembro, 2020|Matérias, news_bucal|