COMPARTILHE

A utilização do Soro Antirrábico (SAR) deve seguir as orientações das Normas técnicas de profilaxia da raiva humana (edição 2014), conforme orienta que o soro deve ser administrado apenas uma vez, mas em caso de reexposição, com história de esquema anterior completo, não é necessário administrar o soro antirrábico (homólogo ou heterólogo). No entanto, quando há indicação do soro, esta, poderá ser no seguinte caso: se houver dúvidas ou conforme uma análise individual, exceto nos pacientes imunodeprimidos, que devem receber, sistematicamente, soro e vacina. Para estes casos, recomenda-se que, ao final do esquema, seja realizada a avaliação sorológica após o 14º dia da aplicação da última dose¹. Ou seja a indicação dos soros em casos de reexposições devem ser adotada conforme a informação citada (1) (2).

Quanto ao local de administração, o soro deve ser infiltrado na PORTA DE ENTRADA, ou seja, dentro e/ou ao redor da(s) lesão(ões) para neutralizar o vírus que ainda está presente nesta porta de entrada, impedindo a disseminação para as terminações nervosas¹ ². Devendo infiltrar a maior quantidade possível da dose do soro que a região anatômica permita, e, o volume restante pode ser aplicado por via IM, se houver, podendo ser usada a região glútea. Sempre aplicar em local anatômico diferente do que foi aplicada a vacina.
Geralmente, é indicada a administração do soro ser em ambiente hospitalar e o paciente mantido em observação por 2 horas, sob supervisão médica, pois pode desencadear reações alérgicas, algumas delas potencialmente graves.

A dose indicada é de 40 UI/kg de peso do paciente, devendo o total administrado ser de, no máximo 3000 UI. Cada ampola possui 1.000 UI. Portanto, mesmo que o indivíduo possua peso corporal maior que 75kg, ele receberá no máximo 3 ampolas.(1) (4)

 

Referência Bibliográfica

  1. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Normas técnicas de profilaxia da raiva humana . Brasília : Ministério da Saúde, 2014.
  2. Brasil. Ministério da Saúde. Esclarecimentos sobre o uso do soro e/ou imunoglobulina antirrábico humano. Disponível em: https://www.saude.gov.br/o-ministro/961-saude-de-a-a-z/raiva/16115-esclarecimentos-sobre-o-uso-do-soro-e-ou-imunoglobulina-antirrabico-humano
  3. Brasil . Ministério da Saúde. Soro Injetável: Soro Antirrábico. Disponível em: http://butantan.gov.br/assets/pdf/soros_vacinas/soros/Bula-Soro-Antirrabico-Paciente-Consulta-Remedios.pdf.
  4.  Brasil. Ministério da Saúde. Soro Heterólogo. Disponível em : https://saude.gov.br/component/content/article/961-saude-de-a-a-z/raiva/11614-instrumentos-disponiveis-para-controle